COLUNA DO LIVAN
Acabar com o Orkut deveria ser crime!
Isso não pode ficar assim, como é que ficam as comunidades Eu odeio acordar cedo, Eu não conheço a loira do banheiro?
Livan Pereira - 05/07/2014 - 12h03

Desde que Ayrton Senna morreu, poucas coisas me fizeram chorar, até que esta semana ao abrir o caderno de economia e finanças para me inteirar das notícias (mentira, estava lendo sobre os jogos da Copa) deparo com a notícia de que o Orkut vai acabar.

Confesso que ao ler a trágica e horrenda informação, lágrimas másculas e viris escorreram dos meus olhos, afinal, boa parte de minha vida está lá no Orkut. Fotografias, depoimentos, discussões...

São tantas lembranças, são tantas memórias que é difícil pensar que uma coisa que marcou a vida de muitas pessoas vai simplesmente desaparecer.

Nós, os operadores do direito, os amantes das leis e das doutrinas deveríamos nos unir e fazer tipo a galera do Greenpeace e nos acorrentarmos aos portões da sede do Orkut pra impedir esse extermínio. Vamos para a Avenida Paulista protestar, vamos parar o trânsito e chamar a atenção das autoridades para este problema.

O pessoal do Direito Digital e “internético” tem que pensar em algo aí pra impedir isso, será que o Marco Civil da Internet não tem um dispositivo que impede que sonhos, lembranças e sentimentos, ainda que virtuais, sejam destruídos?

Isso não pode ficar assim, como é que ficam as comunidades; EU ODEIO ACORDAR CEDO? EU NÃO CONHEÇO A LOIRA DO BANHEIRO?

Fico impressionado com os nossos legisladores, pois é perceptível que atualmente nossas leis protegem tantas coisas banais, tipo o direito à educação, o direito à vida e à saúde, enquanto coisas realmente importantes, como o direito de continuar acessando o Orkut são abandonadas, simplesmente ignoradas.

Tá, eu sei que hoje o Facebook e o Twitter ocupam um maior espaço em seu coração, mas o Orkut é tipo aquele carrinho que você ganhou na infância e tem pena de abandonar e por isso o guarda na sua estante ou aquela boneca de pano, já com as roupas surradas que estão dentro do seu guarda roupas, mas que basta uma olhadinha nela para que lembranças boas da sua infância/adolescência venham à tona.

Assim, com imenso pesar encerro esse pequeno apelo com a adaptação de uma música muito famosa e peço que em coro cantem-na como forma de protesto: “não deixe o Orkut morrer, não deixe o Orkut acabar, o mundo é feito do Orkut, o Orkut eu quero acessar”.

Criador do blog Não Entendo Direito, Livan Pereira é advogado, pós graduado em Direito Tributário pela PUC-Campinas (Pontifícia Universidade Católica de Campinas). É pós graduado em Gestão de Tributos e Planejamento Tributário pela FGV(Fundação Getúlio Vargas). Atualmente é pós-graduando em Direito Processual pela PUC-Campinas.
Deixe seu comentário


Apoiadores
Siga a Última Instância