CRIMES PRESCRITOS
Justiça rejeita denúncia contra coronel Ustra por sequestro durante a ditadura militar
Da Redação - 24/05/2012 - 10h49

Pesquisa: Ajude o Última Instância a conhecer o perfil de seu leitor

O juiz substituto Márcio Rached Millani da 10ª Vara Federal Criminal em São Paulo rejeitou a denúncia de sequestro contra o coronel reformado Carlos Alberto Brilhante Ustra e o delegado de Polícia Civil Dirceu Gravina. A denúncia pelo desaparecimento do líder sindical Aluísio Palhano Pedreira Ferreira em 1971, durante a ditadura militar, foi oferecida pelo MPF (Ministério Público Federal) no final de maio.

A tese de crime continuado, uma vez que o corpo de Palhano nunca foi encontrado, foi rejeitada pelo juiz. Para Rached Millani, deve-se presumir que o militante está morto, porque, estando em cativeiro, não seria capaz de chegar aos 90 anos. Por isso, os crimes imputados ao coronel e ao delegado estão prescritos, segundo o magistrado, e cobertos pela Lei de Anistia.

“Ou a vítima faleceu em 1971, situação mais provável, vez que não se teve mais notícias dela após esta data, hipótese que estaria albergada pela Lei de Anistia; ou, utilizando-se a tese ministerial, teria permanecido em cárcere até 4 de dezembro de 1995, data que foi sancionada a Lei 9.140”, ressalta o texto da sentença em referência a lei federal que declarou mortos todos os desaparecidos em razão de participação em atividades políticas entre 2 de setembro de 1961 e 5 de outubro de 1988.

Segundo o juiz, a denúncia foi a apresentada com a “nítida intenção” de reabrir a discussão sobre a constitucionalidade da Lei de Anistia, de 1979, que deu perdão a todos os crimes políticos cometidos entre 2 de setembro de 1961 e 15 de agosto de 1979. “O Ministério Público Federal busca com essa denúncia reabrir a questão, dando aos fatos nova qualificação jurídica”, destaca Millani que defende que a validade da lei está garantida por decisão do STF (Supremo Tribunal Federal).

Palhano foi presidente da Confederação Nacional dos Bancários e vice-presidente da antiga CGT (Central Geral dos Trabalhadores). Com o golpe de 1964, teve seus direitos políticos cassados e foi exonerado do cargo que ocupava no Banco do Brasil. Palhano, então, exilou-se em Cuba. Em 1970, voltou ao Brasil e ficou na clandestinidade, chegando a integrar a VPR (Vanguarda Popular Revolucionária), grupo liderado por Carlos Lamarca. No ano seguinte, Palhano foi preso em São Paulo.

Relatos colhidos pelo MPF indicam que o sindicalista teria sido torturado no DOI- Codi (Destacamento de Operações de Informações - Centro de Operações de Defesa Interna), na capital paulista. O centro era comandando, à época, pelo coronel Brilhante Ustra. O militar tenta um recurso contra a ação que o declarou responsável pelas torturas usadas nos interrogatórios feitos no local.

Leia mais no Opera Mundi:

Comissão da Verdade chega "atrasada" ao Brasil perante países que tiveram ditaduras
Argentinos incentivam comissão da verdade no Brasil durante marchas pelo "Dia da Memória"
Assembleia Nacional da Venezuela aprova criação de comissão da verdade
Chile apresentará queixa por morte de pai de Michelle Bachelet
Bachelet presta depoimento sobre morte de seu pai durante ditadura

Deixe seu comentário


Apoiadores
Siga a Última Instância