DECISÃO DO TJ-SP
Mantida condenação de motorista que adulterou placa de veículo
Em juízo, o homem confessou o crime, alegando que havia um pedido de busca e apreensão contra o seu carro por falta de pagamento
Da Redação - 15/01/2014 - 14h16

O TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo) manteve decisão que condenou motorista por adulterar a placa de seu veículo. O crime ocorreu na cidade de Araraquara.

Segundo a denúncia, o réu foi abordado por policiais militares, que notaram a irregularidade no sinal identificador do automóvel. Em juízo, o homem confessou o crime, alegando que havia um pedido de busca e apreensão contra o seu carro por falta de pagamento e, por isso, fez a adulteração.

Julgado por infração ao artigo 311 do Código Penal, foi condenado a três anos de reclusão em regime aberto e ao pagamento de 10 dias-multa, pena substituída por prestação de serviços à comunidade e prestação pecuniária. Em recurso ao TJ-SP, pedia a absolvição por falta de provas e, alternativamente, a redução da pena.

O relator do caso, desembargador Ronaldo Sérgio Moreira da Silva, destacou em seu voto que o réu agiu com dolo (intenção deliberada de praticar o ato criminoso), devendo ser responsabilizado. “O elemento subjetivo do tipo ficou bem configurado nos autos, destacando-se que o apelante admitiu, em juízo, que tinha como objetivo evitar a apreensão do veículo, o que evidencia, antes de mais nada, ter agido com a vontade livre e consciente de praticar a conduta violadora da norma de proibição.”

Com essas considerações, negou provimento ao recurso e manteve a sentença. Realizado pela 8ª Câmara de Direito Criminal da Corte, o julgamento, que teve votação unânime, contou com a participação dos desembargadores Louri Barbiero e Ivo de Almeida.

Deixe seu comentário


Apoiadores
Siga a Última Instância