REABILITAÇÃO PROFISSIONAL
Agricultora com visão monocular deve receber auxílio-doença
Não teria como desconsiderar dificuldade no exercício de suas atividades habituais sem o risco de acidentes
Da Redação - 23/05/2014 - 15h21

A 2.ª Turma do TRF-1 (Tribunal Federal da 1.ª Região) decidiu conceder auxílio-doença a uma agricultora com deficiência monocular agravada por diminuição da capacidade visual do outro olho.

Na sua decisão, o relator, juiz federal convocado Henrique Gouveia, afirmou que, considerando a profissão exercida pela requerente, sua visão monocular e baixa capacidade visual no olho esquerdo, não há como desconsiderar que será difícil o exercício de suas atividades habituais sem o risco de acidentes.

A autora havia requerido aposentadoria por invalidez. De fato, ela preenchia quase todos os requisitos para receber o benefício pretendido, exceto o da idade, mas o relator frisou que para a concessão da aposentadoria por invalidez exige-se a incapacidade permanente para toda e qualquer atividade.

Acrescentou ainda, o magistrado, que para obtenção de auxílio-doença o segurado deve estar incapacitado temporariamente para o trabalho. Deste modo, o relator concluiu que: “(...) tendo em vista a idade da autora, apenas 34 (trinta e quatro) anos, entendo que pode lhe ser concedido o benefício de auxílio-doença, devendo ela se submeter à reabilitação profissional”.

Deixe seu comentário


Apoiadores
Siga a Última Instância