Sexta-feira, 24 de março de 2017

Antônio Lamas

Ex-funcionário do antigo PL foi  absolvido por todos os ministros
Da Redação

 

Ex-funcionário do antigo PL, Antonio Lamas teria cometido os crimes de formação de quadrilha e lavagem de dinheiro. Lamas foi acusado de participar do esquema de repasse ilegal de dinheiro ao partido, realizando um saque a favor do então presidente da legenda, Valdemar Costa Neto.

Mas a PGR (Procuradoria Geral da República) pediu sua absolvição por não ter encontrado provas suficientes para os delitos. Ele é irmão de Jacinto Lamas, que também é réu no processo do mensalão.

Leia a sustentação oral da defesa: “Defensor diz que MPF errou ao denunciar Antônio Lamas no processo do mensalão”

O relator da Ação Penal 470, Joaquim Barbosa, considerou Antonio Lamas inocente por falta de provas. O ministro Ayres Brito, presidente do STF, considerou que ele teve uma participação menor porque fez apenas um saque em nome do partido.

“Eu acompanho o relator quanto à absolvição de Antônio Lamas e o faço por também me convencer de que a participação dele nesse conjunto de fatos, objeto da denúncia, foi uma participação, digamos, mais do que episódica, ocasional, inarticulada, cosmética”, disse. Todos os dez ministros do STF votaram pela sua absolvição. 

A defesa de Lamas, representada pelo advogado Délio Fortes Lins e Silva, criticou a inclusão de Lamas na lista de julgados. Para Silva houve exagero e irresponsabilidade. “A defesa de Antônio Lamas entende que esse guizado [a denúncia do MPF] veio temperado com uma dose de exagero, uma colher de abuso e uma pitada de irresponsabilidade da equipe que tomou conta da denúncia.”

Segundo Silva, outras pessoas tiveram a mesma conduta de Antônio Lamas e não foram denunciadas. “Era para ser a denúncia do Ali Babá e os 40 ladrões. Na medida que eu vejo 100 pessoas com a mesma conduta que não foram denunciadas e o Antônio Lamas foi, eu me questiono, qual foi o critério para ele ser denunciado? Foi o sobrenome? Neste país, o pau só quebra nas costas do pequeno.”