Quarta-feira, 26 de abril de 2017

João Cláudio Genú

Ex-assessor do PP é condenado por corrupção e lavagem

Por Felipe Amorim

Ex-assessor do PP, João Cláudio Genú foi condenado a 7 anos e 3 meses de prisão pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Além de pagamento de multa, o plenário do STF (Supremo Tribunal Federal) também decidiu absolver o réu do crime de formação de quadrilha. No entanto, deve ser revista pois houve mudanças no placar da votação de alguns crimes.

A PGR (Procuradoria-Geral da República) acusou o ex-assessor do então deputado José Janene — morto em 2010 — de ter sacado mais de R$ 1 milhão do ‘valerioduto’ para entregar ao PP. O dinheiro, que seria parte de um montante maior no valor de R$ 2,9 milhões, seria usado para convencer os deputados do partido a apoiar projetos do PT na Câmara. A maioria do plenário concordou com a tese da acusação e condenou Genú por corrupção ativa.

Em sua defesa, o réu negou ter se beneficiado do esquema. Genú seria apenas um mensageiro do partido e a PGR não teria provas suficientes para atestar sua participação. Os saques foram feitos a pedido do PP, com os recibos devidamente assinados e a identidade conhecida, disse o advogado Mauricio de Oliveira, em sustentação oral no Supremo.

Inicialmente, o réu havia sido condenado também por formação de quadrilha, mas o ministro Marco Aurélio mudou de seu voto. Com a alteração, o placar nesse crime ficou empatado em 5 a 5, o que leva à absolvição, conforme decidiu o STF (Supremo Tribunal Federal). Na condenação nos três crimes, os ministros haviam fixado a pena de Côrrea em 7 anos e 3 meses. Com a absolvição, a nova dosagem da pena ainda não foi proclamada oficialmente, mas deverá ficar em 6 anos e 6 meses.