Sexta-feira, 21 de julho de 2017

Pedro Henry

STF condena ex-líder do PP a 7 anos e 2 meses por corrupção passiva e lavagem de dinheiro

Por Felipe Amorim

Líder do PP na Câmara dos Deputados quando veio à tona o escândalo do mensalão, o deputado federal Pedro Henry (PP-MT) foi condenado pelo STF (Supremo Tribunal Federal) a 7 anos e 2 meses de prisão, além de multa que ultrapassa R$ 900 mil. A Corte considerou o atual parlamentar culpado dos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro, mas o absolveu da imputação por formação de quadrilha. Como a pena não atingiu os oito anos, o regime de cumprimento da pena é semiaberto.

Henry foi acusado pela PGR (Procuradoria-Geral da República) de receber recursos do “valerioduto” para apoiar projetos do governo na Câmara dos Deputados. No STF, apenas Ricardo Lewandowski, Gilmar Mendes e Marco Aurélio absolveram o réu de corrupção passiva.

Sua defesa negou, argumentando que as acusações basearam-se apenas no fato de que Henry era, à época dos repasses, líder de seu partido. Ainda sustentou que o PP jamais obrigou parlamentares a votar a favor de algum projeto específico.

Na acusação de lavagem de dinheiro, o Ministério Público afirmou que o réu “terceirizou” a atividade de lavagem, criando empresas especializadas no serviço. “O procurador quis tornar um dinheiro limpo em dinheiro sujo”, rebateu o advogado José Antonio Duarte Álvares, na sustentação oral em plenário.